quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

Gabriel Vendramini remando para sua Lighthouse no cenário independente!

  Após um período procurando uma forma de dar um UP no JIS e em seus formatos (blog/canal/podcast) recebi uma mensagem de um músico independente pedindo espaço nesta singela página. Resolvi entender isso como um sinal do Universo de que a hora de abraçar novas coisas havia chegado e aceitei o desafio. O que segue é a primeira entrevista feita para este blog, por esse amante da música que vos escreve!
 
  Gabriel Vendramini é um músico paulista que acaba de lançar seu segundo álbum. Bati alguns bons papos com ele via Whatsapp até finalmente criar as perguntas para que vocês possam conhecer mais sobre seu novo trabalho intitulado "Lighthouse". O álbum tem uma sonoridade bem gostosa, bom de ouvir num rolê pela cidade, na academia, ou em casa com os amigos - já testei e aprovei!- Mas sobre álbum  eu falarei em outro post.
 
  Bora para a entrevista. Lembrando que os links e datas de shows estão logo após as perguntas!


Fala um pouco sobre você.O que ou quem te fez gostar de música?Desde quando toca?
Eu sou Gabriel Vendramini, nascido e criado em Mogi das Cruzes/SP. Sobrevivi aos 27 com êxito e passei dos 30 ano passado.
Minhas primeiras lembranças estão relacionadas à música. Lembro de, muito pequeno, meus pais colocarem para tocar Queen em casa. Na adolescência (15/16 anos) descobri o punk rock (Misfits, Dead Kennedys, Voodoo Glow Skulls), ganhei minha primeira guitarra e, desde então, nunca mais parei.

Você começou sua carreira tocando covers, certo?! O que você mais gostava de tocar?
Quais são suas principais referências?
Exatamente! Tudo começou com uma banda que montei com os amigos lá em Mogi onde tocávamos Misfits, Ramones, Adicts. Era bom demais!
Além do punk rock, eu sempre gostei muito de guitarra solo. Eu ficava trancado no quarto a tarde inteira tentando dissecar nota por nota os solos do Gary Moore nos discos do Thin Lizzy.

Seu primeiro álbum ,” Brick By Brick”, foi lançado em 2016. Quais são as principais diferenças entre ele e o seu segundo álbum, “Lighthouse” ?
Eu brinco dizendo que o "Brick By Brick" foi um TCC de vida que eu sentia a necessidade de lançar antes de completar 30 anos. Compilei algumas músicas que já vinha trabalhando há alguns anos num disco e disseminei entre os amigos. Eu nunca imaginei que tomaria a proporção de hoje, onde tenho uma banda tocando meus sons e lugares onde algumas pessoas aparecem para nos assistir.
No caso do "Lighthouse", o disco saiu pelos poros. Ele marca este momento de transição do primeiro cd, que era algo despretensioso, para algo já mais direcionado: um disco para ser tocado ao vivo.

O que te inspirou durante o processo de criação de “Lighthouse”?
Sempre gostei muito de faixas "faladas". Usei um pouco disso nas composições do Lighthouse (A Crowd Of Fools, Lighthouse Theme, Choir Of Love). 
Dei uma contida nos solos de guitarra, tentei criar atmosferas pro ouvinte imersar no disco (You Will See, Safe, Thomas Crapper).
E, visualizando a conexão com o público, compus algumas faixas para as pessoas pogarem/cantarem (In A Rush, Can't Decide, Spiders On The Ceiling).
Fui inspirado pelo momento em que a música autoral independente passa no Brasil/mundo. O farol simboliza a busca por uma esperança quando estamos (enquanto bandas) navegando rumo ao desconhecido.

Hoje, não existe mais aquela obrigatoriedade de lançar um álbum físico e muita gente consome música através de serviços de streaming. O que você acha disso? Tem alguma preferência entre físico ou música digital?
Eu cresci comprando cd na lojinha do shopping de Mogi. Juntava dinheiro para pegar o trem até a galeria do rock. Sempre gostei muito da mídia física e, apesar de hoje utilizar muito as plataformas de streaming, acredito que ambas esferas coexistam com suas devidas importâncias.
Tenho certeza de que o fã de música ainda vai atrás da mídia física. Digo por experiência própria, pois, sigo comprando os cds das bandas que gosto.

Acha que, nos tempos atuais, é crucial assinar com uma gravadora para ser bem sucedido em larga escala?
Para ser bem sincero, eu não faço ideia de como corre o algoritmo do sucesso nos tempos atuais. O acesso muito fácil à informação (seja ela boa ou sem menor conteúdo) está matando a curiosidade no geral das pessoas (não vou tendenciar nenhuma faixa etária) para consumirem novidades.
Te desafio a listar 10 discos lançados nos últimos 3 anos (banda grande ou pequena) que você saiba cantar faixa por faixa.
Proponho agora outro desafio: você deixar de cantar (com todas as suas forças) 10 refrões de músicas virais (independente do gênero musical) lançadas no semestre passado.




Quem fez a capa de “Lighthouse”?
A ilustradora Danielle Pioli. O trabalho dela é maravilhoso, deixa os links para o pessoal conhecer!

Qual é o céu e o inferno de ser 100% independente?
Vou começar pelo inferno: a escassez da abertura de portas (e ouvidos) para as bandas novas, as condições impostas por certos lugares/produtoras que abrem as portas e a falta de respeito/simpatia entre as bandas que estão no mesmo patamar (eu ia escrever na mesma merda).
O céu é a oportunidade de levar teu som, feito com garra e muito carinho, para 1, 10 ou 50 pessoas. É o lugar/organizador que respeita o músico. As boas amizades que você faz no meio independente.

E como faz pra galera conferir teu trampo ao vivo , digo, shows?
Minhas mídias sociais são muito bem atualizadas, prezo bastante por isso! Tanto o Instagram quanto o Facebook sempre tem a agenda atualizada.

Alguma consideração final?
Não tenham medo de falhar sendo vocês mesmos! Não esperem os outros para darem início aos seus sonhos. Tomem bastante água.

Curtiu? No próximo Domingo(13/01) Gabriel fará um som na Avenida Paulista a partir das 10horas da manhã.

Pra conhecer o som do Gabriel, seguem links das redes sociais dele

Spotify do Gabriel Vendramini
Facebook: https://www.facebook.com/gabvendramini/
Instagram: @gabvendramini

Por hoje é isso, VIVA A MÚSICA!

Texto/Extrevista por Leandro de Lima Vilela
Revisão por Emílio Sá

segunda-feira, 30 de abril de 2018

Years & Years entra em nova era com Sanctify


   Olá! E aqui estou eu feliz por ter tempo de escrever para vocês sobre música. Ando viciado em alguns sons, álbuns e artistas e por isso eu resolvi parar pra escrever um pouco e matar a saudade de falar sobre música pra vocês!

  Como já adiantei na headline o post é sobre o single novo da banda inglesa Years & Years. Formada em 2010 por Olly AlexanderEmre Turkmen e Mikey Goldsworthy o trio lançou seu primeiro álbum intitulado Communion em 2015. Desde então tem conquistado uma boa visibilidade não apenas no reino unido, mas também em vários países ao redor do globo!


  
  Fui me apaixonar pela banda só agora que lançaram o single "Sanctify" que é o carro-chefe para a divulgação do segundo álbum intitulado Palo Santo que e tem lançamento previsto para 6 de Julho desse ano. #Ansiosx .
  Voltando à "Sanctify"... A faixa mostra um crescimento na sonoridade da banda em relação aos singles lançados até então. A letra escrita por Olly fala sobre relacionar-se com alguém que tem tabus com a própria sexualidade devido à questões religiosas.

Capa do Single


  O videoclipe é um banquete aos olhos. O conceito foi desenvolvido por Olly Alexander e a direção ficou a cargo de Fred Rowson que já havia trabalhado com a banda nos clipes de "Desire", "Shine" e "Foundation". Além de assinar a direção dos clipes do Years & Years ele já dirigiu clipes "Game" de Rosie Lowe, "The Greatest" de Raleigh Ritchie e "Your Love" do Joe Goddard.

Agora bora assistir "Sanctify"?!

domingo, 3 de dezembro de 2017

[Podcast] - Jukebox In Shuffle #7 - Just Bought

  E na sétima edição do Jukebox In Shuffle eu toquei músicas dos álbuns e singles que comprei recentemente. Seja vinil, Cd, ou download pago, eu consumo muita música, então nada melhor do que colocar para tocar minhas novas aquisições!



  Ellie Goulding, Foo Fighters, Michael Jackson, Sia, VV Brown e David Bowie são algumas das coisas boas que serão tocadas nesse programa.

#JustPushShuffle

#JustPushShuffle


sábado, 2 de dezembro de 2017

Moko e o irresistível clipe de "Your Love"

  Eu realmente preciso encontrar ou criar um termo equivalente ao "rato de biblioteca" para poder definir como eu sou em relação à minha fome por descobrir mais e mais artistas, sejam novos ou antigos...

...ANYWAYS...

  Em meio às minhas buscas e meus achados musicais esbarrei com uma moça que já chamou atenção pela questão estética e que me viciou logo q cliquei PLAY e conferi a parte musical. O nome dela é Moko e a música tema dessa postagem é "Your Love".




  Moko é uma inglesa que ama Sade, Lauryn Hill, Erykah Badu e tem fome por ritmos novos. Um pouco dessa mistura interessante pode ser conferida em seus 2 EPs. Falaremos, hoje, sobre o clipe lançado para divulgação de um deles.

  "Your Love" é a faixa lançada para a divulgação de seu segundo EP entinutalo Gold lançado em 2014. Com uma sonoridade house e com características tipicamente anos 90, a faixa produzida pela dupla Chase & Status me cativou de cara. O EP conta com outras 3 faixas sendo elas ,"Ceremony", "Missing Love" e "With You". Segue link do Souncloud da moça.



O clipe, dirigido por Ben Strebel, foi filmado em plano de sequencia, também conhecido como UMA TOMADA, só ajudou a elevar a música. Essa única tomada é um banquete aos olhos pois Moko vai perambulando por um local vazio que tem cômodos com iluminação de diferentes cores enquanto dança. Me remeteu ao clipe de "Shift" da VV Brown, mas esse é de outra postagem. 

Bora dançar e se deliciar com "Your Love" ?

segunda-feira, 1 de maio de 2017

#FKDK-Joe Goddard+SLO - Music Is The Answear

Estava eu nos meus passeios pelo mundo maravilhoso dos videoclipes e esbarrei com algo que me cativou de primeira. Cliquei para assistir o clipe. O que aconteceu foi que eu fiquei hipnotizado pelo clipe, música e letra. Fui buscar mais informações sobre e aqui estou eu para cumprir com a função de meu blog que é a de compartilhar com vocês descobertas musicais com vocês então bora para o que interessa.
"Music Is The Answear" é um clipe lançado para divulgar 'Electric Lines' , que é o álbum de estréia de Joe Goddard. O nome pode parecer novo, mas o moço já é "de casa", ao menos para quem curte música alternativa, afinal ele faz parte do sexteto inglês Hot Chip. A música traz os vocais de SLO, artista que lançou seu EP "Atone" no ano passado e que também vale a pena ser ouvido.

O álbum "Electric Lines" foi lançado em 21 de Abril e eu já tô me mudando de mala e cuia pra morar nesse álbum, mas sobre o álbum eu falo depois de ouvi-lo mais algumas vezes, ou seja, em muito breve.
[Capa do Single]
O clipe de "Music Is The Answear" é um banquete aos olhos. Muitos gráficos 3D e efeitos super bem feitos. A direção foi assinada pelo grupo inglês de artistas visuais Shynola, que ,desde sua gênese em 1994, já realizaram algumas exibições de arte, filmes, curtas e VIDEOCLIPES. Na longa lista de videoclipes dirigido por Shunola estão "Pyramid Song" do Radiohead, "Go With The Flow" do Queens Of The Stone Age, "Good Song"do Blur, "Paradise" e "Strawberry Swing" do Coldplay", "Move Your Feet" do Junior Senior e "Need You Now" do Hot Chip. Anyways... Bora curtir o clipe?

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Podcast #6 Raffa Henrique


  E na sexta edição do Jukebox In Shuffle, eu conversei com Raffa Henrique, músico, youtuber e morador de OZ(asco). Além de muito papo, teremos Mastodon, Iron Maden, Jimi Hendrix, SOAD e até Dave Brubeck entre outros incluindo um cover de Creed tocado por RH+TF, projeto que The Freaky e Raffa Henrique tem juntos.


  Lembrando que o Jukebox In Shuffle vai ao ar pela Solid State Radio toda Terça ás 23h com reprises Quintas 13h e Domingo 11h

#JustPushShuffle

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Podcast #5 - Rest In Peace

  E na quinta edição do Jukebox In Shuffle, eu decidi tocar músicas de artistas que já passaram para outro plano espiritual. Muita gente que fez diferença por serem únicos e que influenciarem tudo ao seu redor durante e depois de sua passagem por aqui.


  James Brown, Cazuza, Elis Regina, Freddie Mercury (Queen), Michael Jackson, Kurt Cobain (Nirvana), Amy Winehouse, Ian Curtis(Joy Division), Whitney Houston, Renato Russo (Legião Urbana) e David Bowie são os artistas lembrados nesse programa.

  Lembrando sempre que a transmissão do Jukebox In Shuffle vai ao ar pela Solid State Radio toda Terça 23h(inédito), Quinta 13h e Domingo 11h(reprises)

Bora reverenciar esse povo incrível?